Solitário Inconsciente Coletivo

Tuesday, April 04, 2006

Salve e Salvem Antonio Fraga

Zé mane é como eu chamo quem não se liga na morena, na gelada, na cadência e na redonda todo sábado. Comigo não tem dessa, mane que se mete a besta no meu pedaço leva logo um catiripapo pra aprender que nariz precisa ouvir direito, pra não se meter onde não foi chamado. Aqui ninguém precisa cantar de galo, todos são farinha da mesma mandioca, do mesmo quilo, do mesmo saco. Malandro, sim senhor, mulherengo, só de vez em quando, por que a patroa é gente boa e faz todo dia o rango. O meu chefe sou eu mesmo, dou duro o dia interio, vendo pilha, maçaneta, boca de fogão e frigideira. Mas eu gosto mesmo é do som do cavaco, da textura do couro do pandeiro, do gosto da gelada na garganta e na beira do bigode, de cheiro de churrasco e de ver a minha patroa requebrando com o compasso, tem forma melhor de usar os sentidos? Acho que não, acho nada, eu tenho certeza, por que achar é verbo de gente perdida e como eu falei, Zé mane é como eu chamo quem não se liga...



P.Siuzão1: Inspiração total, absoluta e pretensiosa em Antonio Fraga, péloamordedeus vezes mil, caso nunca tenha lido “Desabrigo”, corra e leia, se quiser eu empresto, com tanto que me devolva logo (a praga pra quem pegou meu livro da Ivana Arruda Leite e não me devolveu continua) Sim, o cara em 1942, escreveu sobre putas e “vagabundos” de uma forma que deixa o famoso Macunaíma parecer texto erudito de inglês metido. Na minha opinião “Desabrigo” é fantástico, revolucionário, inquieto, vanguardista e infelizmente esquecido pelo grande público. Um manifesto de liberdade literária escreve sem pontuação, sem concordância e sem porra nenhuma (o que eu achei óóóótimo, e será meu álibi para todo sempre, amém) e ainda assim de forma BRI-LHAN-TE, ele dá ritmo e cadência a um texto, sem usar nenhuma virgula ou pontozinho se quer! Atenção mesmo sem msn de propósito escreve parágrafos inteiros trocando letras pra deixar qualquer um louco, eu me apaixonei completamente por ele, é um revolucionário literário que merece ser reverenciado ou no mínimo conhecido.

P.siu2: Puta que pariu kkkkkkkkk trilha do post? “Aquarius” do filme Hair! Ta tocando no ultimo volume lá na cozinha, enquanto minha mãe de top less faz o almoço, onde foi parar o Roberto Carlos e o avental? Não se fazem mais mães como antigamente!

3 Comments:

At 4:23 AM, Blogger Blue Boy and the Gray World said...

Pod eretirar a maldição de cima do pobre, o seu "Ao homem que não me quis" está aqui, novinho, só te esperando XD Beijão.

 
At 1:45 PM, Anonymous iso said...

mto bem ressaltadao d baratinha (kkkkkkkkkkkkkk) clariCe!!!

e eu ja interpretei uma baratinha numa peça teatral, dpois t mostro as fotos tosquerrimas da epoca!!!

e v se tu lavas tuas canecas, poha!!!!!
iouhOIUHOiuhoiuhoIUHOiuhoiuh

ass. a alma da barata afogada!

kkkkkkkkkkkkkkkkk
mto engraçado
mspokei aqui!


*=)

 
At 10:05 AM, Anonymous Laura said...

já falastes tanto nisso, que estás me instigando a querer ler! no entanto, agora não será possível... vide as pilhas de livros que me esperam ante o tempo reduzido.
beijinhos

 

Post a Comment

<< Home